Clipping

CLIPPING SINDHOESG 08/01/20

ATENÇÃO: Todas as notícias inseridas nesse clipping reproduzem na íntegra, sem qualquer alteração, correção ou comentário, os textos publicados nos jornais, rádios, TVs e sites citados antes da sequência das matérias neles veiculadas. O objetivo da reprodução é deixar o leitor ciente das reportagens e notas publicadas no dia.

DESTAQUE
Municípios têm R$ 250 milhões a mais para zerar filas de cirurgias eletivas
Unimed Goiânia gera 20 mil empregos diretos e indiretos em um ano
Vapt Vupt continuará emitindo versão impressa da Carteira de Trabalho
Dengue teve segundo pior ano em 2019

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Municípios têm R$ 250 milhões a mais para zerar filas de cirurgias eletivas

Incentivo do Ministério da Saúde começa a ser repassado neste mês para zerar a fila de 53 cirurgias de média complexidade. Dentre elas, as cirurgias de varizes, catarata, hérnia e laqueadura

O Ministério da Saúde reservou R$ 250 milhões a mais para a ampliação do acesso de pacientes às cirurgias eletivas realizadas no SUS. O incentivo aos municípios é para zerar a fila de espera de cirurgias eletivas de média complexidade e diminuir o tempo de espera daqueles que aguardam por procedimentos agendados. São 53 tipos de procedimentos cirúrgicos que estão na lista, como catarata, varizes, hérnia, vasectomia e laqueadura, além da cirurgia de astroplastia (quadril e joelho) entre outras com grande demanda reprimida identificada.
Em 2018, foram realizadas pelo SUS cerca de 2,4 milhões de cirurgias eletivas em todo o país. Esses procedimentos cirúrgicos são os que não precisam ser realizados em caráter de urgência, podendo assim serem agendados. Em 2019, até outubro, foram registrados no sistema de informação do SUS 2 milhões de cirurgias em todos os estados brasileiros.
Os procedimentos de cirurgias eletivas fazem parte da rotina dos atendimentos oferecidos à população nos hospitais de todo o país, de forma integral e gratuita, por meio do SUS. As três cirurgias mais demandadas são oftalmológicas (para tratamento de catarata e de suas consequências e para tratamento de doenças da retina). Além dessas, também estão na lista cirurgias tais como aquelas para correção de hérnias e retirada da vesícula biliar.
Com o valor extra de R$ 250 milhões mais cirurgias eletivas poderão ser realizadas em 2020. Os gestores estaduais, municipais e do Distrito Federal, responsáveis pela organização e a definição dos critérios regulatórios que garantam o acesso do paciente aos procedimentos cirúrgicos eletivos, podem contar e se programar para utilização dos recursos de acordo com a população per capita de cada estado.
O valor total será disponibilizado no orçamento por meio do componente Fundo de Ações Estratégicas e Compensação (FAEC). O incentivo somente será liberado para os gestores após a apresentação de produção executada no sistema de informação do SUS e para aqueles que ultrapassarem o teto MAC (Média e Alta Complexidade) do município.
Do período de janeiro de 2017 a outubro de 2019, foram disponibilizados por meio de recursos do FAEC, o valor aproximado de R$ 1,1 bilhão para cirurgias eletivas. Além disso, as unidades federativas contam também com o valor do teto MAC (Média e Alta Complexidade) para realização das cirurgias nos municípios.
REPASSE POR ESTADO PARA CIRURGIAS ELETIVAS
UF VALOR
Acre R$ 1.050.000,00
Alagoas R$ 3.975.000,00
Amapá R$ 1.000.000,00
Amazonas R$ 4.925.000,00
Bahia R$ 17.700.000,00
Ceará R$ 10.875.000,00
Distrito Federal R$ 3.575.000,00
Espírito Santo R$ 4.775.000,00
Goiás R$ 8.350.000,00
Maranhão R$ 8.425.000,00
Mato Grosso R$ 4.150.000,00
Mato Grosso do Sul R$ 3.300.000,00
Minas Gerais R$ 25.175.000,00
Pará R$ 10.225.000,00
Paraíba R$ 4.775.000,00
Paraná R$ 13.600.000,00
Pernambuco R$ 11.375.000,00
Piauí R$ 3.900.000,00
Rio de Janeiro R$ 20.550.000,00
Rio Grande do Norte R$ 4.175.000,00
Rio Grande do Sul R$ 13.525.000,00
Rondônia R$ 2.125.000,00
Roraima R$ 725.000,00
Santa Catarina R$ 8.525.000,00
São Paulo R$ 54.625.000,00
Sergipe R$ 2.725.000,00
Tocantins R$ 1.875.000,00
Brasil R$ 250.000.000,00
........

A REDAÇÃO

Unimed Goiânia gera 20 mil empregos diretos e indiretos em um ano
Saúde atingiu 21% das oportunidades no Brasil

Goiânia - A Unimed Goiânia gerou, entre empregos diretos e indiretos, cerca de 20 mil vagas de trabalho nos últimos 12 meses. É o que afirma o presidente da Cooperativa, Breno de Faria. “A Unimed Goiânia é uma força produtiva no mercado da saúde suplementar cuja estabilidade e solidez econômicas contribui para a geração de trabalho e renda", destacou.

Um levantamento do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) demonstrou que o setor está contratando em ritmo superior à média nacional. A saúde responde por 21,9% dos empregos gerados no Brasil, nos últimos 12 meses. De acordo com o Relatório de Emprego na Cadeia Produtiva da Saúde, 491,9 mil vagas de trabalho formal foram criadas entre outubro de 2019 e o mesmo mês de 2018. Dessas, 107,6 mil concentram-se no setor de saúde.

“As atividades econômicas ligadas à saúde agiram como um grande motor da economia ao longo do ano, principalmente no setor privado”, destaca José Cechin, superintendente Executivo do IESS. No período analisado, o setor público registrou saldo negativo de 3 mil postos de trabalho (estatutários, CLT e comissionados). Já o setor privado abriu 110,7 mil novas vagas formais.

O Sudeste foi a região com o maior saldo de contratações no setor privado e, ao mesmo tempo, maior total de demitidos na esfera pública. Nos 12 meses encerrados em outubro deste ano, a região criou 52,8 mil novos empregos no setor privado e fechou 5,5 mil no público. Saldo de 47,3 mil.

Outro destaque do levantamento foi a região Centro-Oeste, a única a registrar incremento no total de vagas públicas na cadeia produtiva da saúde: 7,5 mil. Já no setor privado foram contabilizados mais 19,4 mil postos de trabalho.

No total, a cadeia produtiva da saúde emprega 5,1 milhões de pessoas no Brasil, sendo 1,5 milhão no setor público e 3,6 milhões no privado. O montante é 2,1% superior ao registrado em outubro de 2018 e representa 11,7% da força de trabalho no País.

Cechin ressalta que o porcentual vem crescendo, com o setor respondendo por uma fatia cada vez maior dos empregos. “Na mesma época do ano passado, o setor respondia por 11,6% da força de trabalho. O crescimento de 0,1 ponto porcentual em 12 meses pode não parecer muito, mas é bastante expressivo e representa a criação de mais de 100 mil novos empregos”, avalia. “O resultado é especialmente positivo, uma vez que a tendência é de crescimento continuado ao longo de 2020 e, também, dos próximos anos”, conclui.
..............

Vapt Vupt continuará emitindo versão impressa da Carteira de Trabalho
Prazo de entrega passou de 15 para 45 dias

Goiânia - O Vapt Vupt continuará realizando atendimentos para emissão da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) em suas unidades. A preocupação surgiu após determinação da Superintendência Regional do Trabalho em Goiás (SRTb) de suspender a emissão da CTPS nos postos de atendimento da Superintendência vinculados ao Governo Federal. Ainda assim, o prazo de entrega que antes era de 15 dias, passará a ser de 45 nos pedidos feitos no programa.

As ações são uma maneira de promover a CTPS digital, documento disponível on-line que substitui a impressa. As unidades do Vapt Vupt continuarão realizando o atendimento por meio de agendamento prévio, como já ocorre desde setembro de 2019. A mudança no prazo é consequência da redução em 65% de montagem e confecção da Carteira impressa.
..............

O GLOBO

Dengue teve segundo pior ano em 2019
Mudança do subtipo de vírus predominante impulsionou doença
-
RAFAEL GARCIA
O ano de 2019 teve o segundo maior número de casos de dengue desde que a notificação obrigatória sobre a doença começou, em 1990. O Ministério da Saúde ainda não terminou de compilar casos registrados no fim do ano, mas, de 1º de janeiro a 7 de dezembro, o país tinha 1,53 milhão de notificações da enfermidade, a maioria delas em Minas Gerais e São Paulo.
O número perde apenas para 2015, quando 1,69 milhão de casos foram registrados. Em relação a 2018, foi um aumento de quase 600%. Segundo a SVS (Secretaria de Vigilância em Saúde), parte da razão para a explosão da epidemia foi a mudança no subtipo de vírus predominante no país.
- De 2010 a 2016, as nossas epidemias eram ocasionadas principalmente pela circulação dos sorotipos 1 e 4 do vírus da dengue. A partir do final de 2018, principalmente nas regiões Centro-Oeste e Sudeste do país, houve uma alteração, e o sorotipo 2 tornou-se predominante - explica Rodrigo Said, coordenador-geral do Programa de Vigilância e Controle das Arboviroses (vírus transmitidos por insetos e outros artrópodes). - Encontrando uma população com imunidade mais baixa a esse subtipo do patógeno, a dengue teve terreno fértil para se espalhar.
Segundo especialistas, a circulação de diferentes subtipos de vírus da dengue está tornando mais difícil prever a dinâmica das epidemias, principalmente depois da introdução dos vírus da zika e da chicungunha, transmitidos pelo mesmo mosquito, o Aedes aegypti.
No Rio de Janeiro, por exemplo, o subtipo 2 ainda não entrou com força, mas o estado foi o campeão de casos de chicungunha no ano, com 85.758 casos da doença notificados até dezembro.
Segundo Said, os anos de 2017 e 2018 foram um período "atípico" para as doenças transmitidas pelo Aedes, não só no Brasil, mas também em outros países tropicais. No Brasil, o subtipo 2 ainda não havia suplantado o 1 e o 4, e os fatores climáticos contribuíram para uma taxa de transmissão mais modesta.
- No final de 2018 e início de 2019, nós vivenciamos altas temperaturas, batendo recordes de 30 anos em alguns lugares - afirma Said. - Essa elevação da temperatura, associada a fatores socioeconômicos e ambientais que modulam a ocorrência das epidemias, aumenta o número de criadouros nessa época do ano.
NORDESTE EM ALERTA
Segundo o engenheiro sanitário, boa parte das atenções da SVS em 2020 estão voltadas para o Nordeste, que teve poucos casos em 2019.
- O litoral do Nordeste é uma área com alta densidade populacional, e lá o soro tipo predominante ainda é o 1. Temos observado a região esperando o momento da alteração para o 2, mas isso por enquanto não aconteceu- afirma Said.
Para especialistas, a presença de múltiplos arbovírus no país torna difícil não apenas prever o futuro, mas também entender o histórico passado da incidência da dengue.
- Desde 2016, os dados de notificação confundem muito, e é difícil interpretá-los porque não há uma correção - diz André Siqueira, pesquisador do Instituto Evandro Chagas e coordenador da Rede de Pesquisa Clínica e Aplicada em Chicungunha da Fiocruz. Por exemplo: em 2015 houve epidemia de zika no Rio, mas até o meio do ano não se sabia que a zika estava circulando, então a maioria dos casos foi notificada como dengue. Como dengue é a arbovirose mais comum e mais antiga, sempre se notificou como dengue, mas alguns casos de dengue podem ser chicungunha.
Na opinião do infectologista, o Brasil precisa se esforçar mais para entender a dinâmica das arboviroses:
- A gente não tem se preparado de forma eficiente, usando formas mais sofisticadas de vigilância, mas é possível. Em São José do Rio Preto (SP), que mantém rede "sentinela" que faz diagnóstico preciso do sorotipo, conseguiram identificar a mudança do sorotipo 2 mais cedo, e foi possível montar um plano de contingência.
Segundo o pesquisador, controlar a disseminação do mosquito em grandes concentrações urbanas ainda é um desafio em cidades.
- Temos muito pouca capacidade de interferir na redução dos números de casos. Há problemas de urbanização, as cidades têm muitos criadores, há mosquitos com resistência a inseticidas, e o cenário climático de aumento de chuvas e temperatura impulsiona a proliferação do Aedes - diz o infectologista. - Em alguns municípios, como o Rio de Janeiro, a rede de saúde está precária numa época crítica do ano.
COMBATE AO MOSQUITO
Desde o meio do ano passado, o governo federal vem anunciando algumas medidas para tentar frear a volta da dengue, mas o trabalho surtiu pouco efeito no curto prazo. Uma das iniciativas foi a antecipação, de dezembro para setembro, da campanha de conscientização para eliminar os focos de água parada que servem como criadouros do mosquito.
Neste ano, o ministério diz buscar melhorar a articulação do poder federal com estados e municípios, que trabalham na linha de frente das epidemias. Said afirma que a SVS já realizou reuniões em todos os estados do Nordeste, a região prioritária de vigilância em 2020, para atualizar os planos de prevenção.
A ferramenta de saúde pública mais aguardada para o setor, porém, não deve estar disponível antes de 2021. A vacina de dengue desenvolvida pelo Butantan e pelos NIH (Institutos Nacionais de Saúde dos EUA) deve encerrar neste ano a terceira e última etapa de seu teste clínico. Mas, mesmo que o trabalho tenha êxito, o tempo de espera para licenciar o produto e incorporá-lo ao sistema de saúde torna difícil que o calendário de 2020 acomode uma campanha de imunização da dengue.
Além das campanhas de conscientização, o Ministério da Saúde estuda expandir projetos como o uso da bactéria Wolbachia e de mosquitos irradiados para controle do Aedes, diz Said.
..................

Rosane Rodrigues da Cunha
Assessoria de Comunicação 


Assessoria de Comunicação - Sindhoesg - 08/01/2020

 

Newsletter

Casdastre-se para receber nossos informativos:

 

Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde no Estado de Goiás

Alameda Botafogo, nº 101, Centro
CEP 74030-020 - Goiânia - Goiás

 

Telefone:(62)3093-4309

 

sindhoesg@sindhoesg.org.br

GOsites